Menu Site
 Por: Núcleo de Comunicação
08/02/2019 11:02 - atualizado às 10:46 em 28/06/2019

Como todo o Centro Cultural Fiesp, voltado para as mais variadas linguagens artísticas, no lounge de convivência, no foyer do Teatro do SESI, o público confere uma atração especial nas tardes de domingo. Ao vivo, de hora em hora, a música instrumental, dos mais diversos ritmos, do popular ao erudito, é apresentada gratuitamente. O espaço, charmoso e aconchegante para reunir os amigos, tem vista para o Jardim Burle Marx, e os visitantes ainda podem aproveitar para tomar um cafezinho na Patisserie Douce France.

No meio da agitada Avenida Paulista, um momento para relaxar e aproveitar

A arquitetura moderna do edifício Luís Eulálio de Bueno Vidigal Filho, sede do SESI-SP, que também abriga a FIESP, o CIESP, o SENAI-SP e o Instituto Roberto Simonsen, o tornou ponto de referência no skyline da cidade. Atração requisitada por turistas e habitantes de São Paulo, o prédio também possui uma fachada de concreto da Alameda Santos e um lindo jardim, ambos assinados pelo arquiteto, paisagista e artista plástico Roberto Burle Marx (1909-1994). Horário de funcionamento: de terça a sábado, das 10h às 22h, e domingo, das 10 às 20h.

Aos domingos

Das 13h às 14h | Das 15h às 16h | Das 17h30 às 18h30

Gratuito

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO DE JULHO

 

ARTISTA

DATA

Jazz Duo Marcus Almeida e Davi Martin | Gênero: Erudito
Guitarrista e violinista: Marcus Almeida | Contrabaixista: Davi Martin

Conciliando a improvisação com o bom gosto, a junção do estilo característico do violinista e guitarrista Marcus Almeida, com toque diferenciado do contrabaixo de Davi Martin, a apresentação aposta em músicas populares, ampliando as melodias do Jazz e da Bossa Nova para novas gerações. O Duo apresenta em seu repertório canções de diversos gêneros, tais como o rock de Eric Clapton, o pop de Michael Jackson e o choro do Pixinguinha.

7 de julho

Zezo Ribeiro | Gênero: Erudito
Violino: Zezo Ribeiro

Violonista de São Paulo, Zezo é pioneiro na fusão das técnicas do violão flamenco na música brasileira. O artista apresenta o repertório de seu sexto CD, Solo e Muito Bem Acompanhado, onde as composições evidenciam suas influências flamenca e erudita, passando pela música popular.

Grande guitarrista, Zezo Ribeiro é também compositor. Seu trabalho de busca e expansão inova ao mesclar aspectos técnicos do violão flamenco, do jazz ao rock.

14 e 28 de julho

André Moraes e César Petená | Gênero: Popular
Voz e viola: André Moraes e César Petená

A partir de encontros nos ensaios da Orquestra Filarmônica de Violas, em 2015, André e César tiveram a ideia de formarem um duo, apresentando arranjos próprios e composições inéditas.

Além das canções de César Petená e de violeiros da nova geração, o repertório deles resgata o trabalho de grandes nomes da viola brasileira, como Almir Sater, Ivan Vilela, Tião Carreiro e Índio Cachoeira.

21 de julho

 

ARTISTA

DATA

Brassampa | Gênero: Erudito
Trompete: Michel Machado|Trombone: Hélio Gomes | Trompa: Edson Nascimento

Visando retomar a história da música clássica de forma cronológica, a partir do essencial erudito, o grupo Brassampa apresenta, há mais de 10 anos, canções de musicistas indispensáveis, como Johann Sebastian Bach, Carlos Gomes, Alberto Ginastera e Heitor Villa-Lobos. Eles também ressaltam a evolução da sociedade com seu repertório rico.

Composto por instrumentos de sopro, o quinteto realiza concertos descontraídos, onde a musicalidade e seriedade do erudito entram em contraste com a informalidade de interagir com o público.

3 de julho

Duo Flutuart | Gênero: Erudito
Flauta Transversal: Paula Pascheto | Piano: Deise Hattum

Com repertório especialmente arranjado, a apresentação é dividida em três partes que traduzem a vida e a obra da artista brasileira Chiquinha Gonzaga: A Feminista, Chiquinha e Callado e Abolicionista

Com mais de 150 anos de história, a compositora Chiquinha Gonzaga é considerada uma das mais importantes da música brasileira, e sempre lembrada pela marcha carnavalesca O Abre Alas.

10 de julho

Duo Love Strings | Gênero: Erudito
Violino: Priscila Bebiano | Violoncelo: Boaz de Oliveira

O Duo Love Strings é caracterizado, principalmente, pelo repertório eclético apresentado. Os músicos refletem nos concertos a relação entre diferentes gêneros musicais, semelhante ao relacionamento cultivado pelo casal ao longo da parceria. A violinista Priscila Bebiano e o violoncelista Boaz de Oliveira misturam desde o R&B contemporâneo, do britânico Sam Smith, até clássicos do rock, entre Legião Urbana e Guns ‘n’ Roses, com o erudito, como as raízes barrocas de Johann Sebastian Bach.

Priscila Bebiano foi o primeiro violino, ou spalla, da Orquestra Filarmônica Melhoramentos Caieiras por cinco anos. Participou de dois projetos de musicalização na adolescência A Música Venceu, da Bachiana Filarmônica SESI-SP, e foi parte do Alla Corda, concerto regido pelo maestro João Carlos Martins. É técnica em música com habilitação em violino, e tem em sua formação o canto popular brasileiro e a pedagogia de cordas friccionadas.

O violoncelista Boaz de Oliveira iniciou os estudos pelo Método Jaffé de Ensino Coletivo, posteriormente estudou com Wilson Sampaio, Mauro Brucoli, Gretchen Miller, Ji Yon Shim, Júlio Cerezo Ortiz e Raiff Dantas Barreto. É bacharel em violoncelo, e estudou também bateria na antiga Universidade Livre de Música - Tom Jobim. Além de parte do Duo Love Strings, também integra o Quarteto Villani, Duo Elo, e durante sete anos foi integrante da Orquestra do Theatro São Pedro.

17 de julho

Thito Neves | Gênero: Erudito
Thiago Tognoli Neves

Thiago, de nome artístico de Thito Neves, iniciou seus estudos musicais quando criança, no conservatório musical Villa-Lobos. Desde então, fez diversos cursos de aperfeiçoamento em piano erudito e música comercial, e um tempo depois, lecionou aulas de piano, teoria e percepção. O artista já atuou em diversos espetáculos musicais e se apresentou com o Quinteto Bachiana SESI-SP e a soprano Giovanna Maira.

 

24 de julho

Ensemble Choro Erudito | Gênero: Erudito
Vibrafone: Ricardo Valverde | Violino: Wanessa Dourado | Baixo acústico: Marcos Paiva

Com o intuito de apresentar um repertório que expresse a diversidade brasileira, o grupo aproxima erudito e popular ao conectar choro a música instrumental.

O elo entre os universos musicais, aparentemente distantes, é a maior característica do trio formado pelo vibrafonista Ricardo Valverde, pela violinista Wanessa Dourado e pelo contrabaixista Marcos Paiva. A partir de composições autorais, o grupo mostra ao público um diálogo leve e reflexivo dessa fusão.

 

31 de julho

 

LEIA TAMBÉM