Menu Site
30/08/2019 16:05 - atualizado às 16:05 em 30/08/2019

Amanda Demétrio, Núcleo de Comunicação

A reunião desta quarta-feira, 28 de agosto, do Comitê da Cadeia Produtiva do Desporto da Fiesp (Code) discutiu sobre o esporte no Sesi-SP e os resultados obtidos por seus atletas nos Jogos Pan-Americanos de Lima 2019. Com a presença da nadadora Daynara de Paula (prata e bronze) e do jogador de polo aquático, Bernardo Reis (bronze), o supervisor de Esporte de Rendimento do Sesi-SP, Gilberto Guimarães, apresentou um pouco do desenvolvimento esportivo trabalhado dentro da instituição, além de enaltecer o trabalho dos atletas convocados para Lima 2019.

Além de mostrar um pouco do Atleta do Futuro, Treinamento e Rendimento Esportivo, as vertentes da Pedagogia do Exemplo e as conquistas do Sesi-SP no Pan de 2019, durante a exposição, enquanto apresentava dados sobre as diversas edições dos Jogos Pan-Americanos, Gilberto comentou sobre as mudanças nas comparações que o Brasil sempre teve com outros países dentro do esporte.

“O Brasil sempre apareceu em quarto, quinto e até sexto lugar no quadro geral do Pan-Americano. Sempre tivemos os Estados Unidos, Canadá e Cuba dominando os Jogos. Hoje, onde está Cuba? Perdeu forças, não tem mais a ajuda de antes para manter seu potencial. Nós crescemos, agora temos apenas EUA como principal adversário. Porém é difícil fazer essa comparação, já que aqui no Brasil o esporte e regido pelo Governo, enquanto lá fora são as empresas privadas e as universidades que desenvolvem e formam os atletas para os principais torneios”, comentou o supervisor do Sesi-SP.

O diretor titular do Code, Mario Eugênio Frugiuele, lembrou que expandir o desenvolvimento do esporte brasileiro é um desafio sempre discutido pelo comitê. “Hoje no Brasil é minoria o número de crianças que tem acesso à clubes esportivos para ter essa prática e desenvolvimento. E nós aqui lutamos para mudar esse cenário. Lutamos para que os clubes se mantenham e possam abranger cada vez mais o seu trabalho, mas mais do que isso, para que a educação física seja sempre uma obrigação dentro do ensino, desde a iniciação escolar, e não a partir de certo período. Ter essa formação esportiva ajuda no desenvolvimento cognitivo da criança e ainda traz mais possibilidades para o esporte brasileiro”.

Mais cedo, membros do Code fizeram uma visita ao Instituto Neymar Jr., na Praia Grande, litoral de São Paulo. Mario Frugiuele, acompanhado de seus conselheiros, puderam conhecer as instalações, interagir com as crianças e entender como funciona o projeto que promove educação, ensino e desenvolvimento esportivo.

“Nós estamos encantados com a estrutura e o trabalho feito no Instituto, é de lugares assim e atitudes como essa que o Brasil precisa. Não podemos perder esse olhar para nossas crianças. E não digo só pensando no esporte, mas sim no desenvolvimento como um todo, na formação de um cidadão”, comentou Frugiuele.

Instituto Neymar Jr  

O Instituto Projeto Neymar Jr., é uma associação civil sem fins lucrativos, que tem por objetivo ampliar as oportunidades de crianças, adolescentes e suas famílias, que vivem em situação de vulnerabilidade social, por meio da educação, cultura, esporte e saúde. Sua história começou em 2010, e após dois anos, ele foi constituído. Foram diversas etapas de construção até sua inauguração, ocorrida em dezembro de 2014. Atualmente são atendidas milhares de crianças e jovens, em uma área de 8.400 m², com impacto em mais de 10.000 pessoas. O instituto está localizado no Jardim Glória, na Praia Grande, comunidade que possui diversas dificuldades e limitações já vivenciadas por Neymar Jr. e sua família, que foram moradores do bairro.