O que está buscando?
Portal Educa    MEU SESI - Entrar

Sesi-SP comemora a escolha do Brasil como país sede da Copa do Mundo Feminina de 2027

Instituição conta com mais de 1.600 alunas na prática da modalidade, e se prepara para ingressar nas competições federativas no próximo ano

Instituição conta com mais de 1.600 alunas na prática da modalidade, e se prepara para ingressar nas competições federativas no próximo ano

 Por: Amanda Demétrio, comunicação Sesi-SP
17/05/202417:52- atualizado às 12:29 em 23/05/2024

Com um projeto que atualmente soma 1.680 alunas praticando o futebol feminino e que, em 2025, dará início à formação da primeira equipe federada para disputa do Campeonato Paulista Sub-15, o Sesi-SP comemora a escolha do Brasil como país sede da Copa do Mundo Feminina de 2027. A décima edição da principal competição de seleções do futebol feminino será a primeira disputada na América do Sul. O anúncio veio após o país superar a candidatura europeia por 119 votos a 78, nesta sexta-feira (17/5), durante o Congresso da Fifa, realizado em Bangkok, na Tailândia.

Sem dúvidas, a notícia que veio nesta madrugada, do Brasil ser sede da Copa do Mundo de 2027, coroa o projeto de futebol feminino do Sesi-SP e aumenta as nossas expectativas para que mais meninas queiram jogar futebol ao longo dos próximos meses e anos. Nosso projeto, hoje, faz parte da estratégia nacional de desenvolvimento do futebol feminino junto com o Ministério do Esporte e o Conselho Nacional. Esse foi um dos pré-requisitos para que o Brasil pudesse se candidatar e agora ser coroado com essa escolha. Inclusive, está sendo um momento de muito orgulho para instituição e toda equipe que está envolvida no projeto, porque a gente sabe que temos nossa parcela de contribuição para este momento”, comemorou Mirella Cagliari, coordenadora de desenvolvimento esportivo no futebol feminino.

O Sesi-SP, com grande tradição na formação de atletas desde a base em várias modalidades, iniciou, em agosto de 2023, o projeto Futebol Feminino em 11 cidades do estado de São Paulo, disponibilizando mais de 3 mil vagas para meninas de 6 a 17 anos. O projeto, que tem como objetivo contribuir para a promoção da equidade de gênero, a valorização da mulher e a ampliação de possibilidades de atuação com o esporte feminino, ainda atua na democratização do acesso à modalidade e no trabalho a longo prazo, pensando desde a formação até a profissionalização.

 

Imagens: Karim Kahn

Quanto mais oportunidades a gente puder proporcionar para que meninas ingressem e pratiquem o futebol, maior vai ser a nossa rede de desenvolvimento e promoção da modalidade”, diz Mirella. Hoje, das 1.680 alunas, 349 já formam as turmas de Treinamento Esportivo nas categorias Sub-12 e Sub-14. “Nessas turmas de aperfeiçoamento (categorias Sub-12 e Sub-14), as meninas já passam a treinar três vezes por semana e por mais tempo, têm um volume e uma intensidade um pouco maior, e a gente já começa exigir um refinamento técnico e tático”, explicou.

Após darem o pontapé inicial na prática da modalidade com o desenvolvimento do repertório motor, as alunas já participam de festivais e eventos locais. No Treinamento Esportivo, a Liga Sesi-SP, um dos maiores eventos esportivos promovidos por uma instituição privada que aposta, entre outras áreas de atendimento, na promoção ao talento esportivo, já está no calendário das meninas. A competição reúne 22 equipes divididas em três chaves. Ao todo, a Liga Sesi-SP de Futebol Feminino vai contar com 82 partidas ao longo deste ano. E, para 2025, a instituição dará início na turma de desempenho, formando uma seleção do Sesi-SP. Será a primeira equipe federativa na categoria Sub-15, que poderá participar do Campeonato Paulista da categoria.

Eu vejo diversos impactos com esse anúncio, diversas expectativas, como o aumento do fomento da modalidade, mais meninas e famílias em busca da prática do futebol e um incentivo maior dos clubes e das instituições para o desenvolvimento das categorias de base. Acredito no aumento da visibilidade de forma geral, e com certeza o Sesi-SP está fazendo parte dessa história dentro do futebol feminino”, finalizou a coordenadora do futebol feminino do Sesi-SP.