O que está buscando?
Entrar

Diário de uma atleta em tempos de coronavírus

Em meio à pandemia mundial, fizemos um panorama sobre as expectativas da atleta para 2020, o adiamento dos Jogos Olímpicos e como anda a rotina de treinos.

 Por: Marco Antonio e Mayara Tolotti, SESI Cubatão
22/04/202014:37- atualizado às 14:39 em 22/04/2020

Brenda Padilha, atleta de rendimento esportivo do SESI-SP, é a 3° colocada no ranking mundial da WKF (Word Karate Federation) na modalidade Kumite, na categoria Sub-21 acima de 68kg. Brenda é atualmente bicampeã pan-americana, bicampeã sul-americana e tetracampeã brasileira.

No início deste ano, entre os dias 10 e 12 de janeiro, Brenda Padilha disputou a Série A - Open Internacional, na cidade de Santiago, no Chile. A competição conferiu à atleta pontos para a corrida olímpica de Tóquio, competição que seria realizada, até então, em 2020.

Tal percurso começou com sua classificação na Seletiva do Pré-Olímpico Nacional Sênior, que aconteceu no Clube Esperia, entre os dias 5 e 8 de fevereiro, na disputa da categoria Kumite +61kg. Trata-se da categoria que reuniu o maior número de atletas. Depois de cinco rodadas, três delas terminaram a competição empatadas e precisaram duelar mais duas vezes para definir a final.

O grande número de disputas provocou em Brenda Padilha e Bárbara Rodrigues um esgotamento mental e físico, mas, após 14 lutas no total, ambas avançaram na competição. Em uma batalha emocionante e com muito apoio da torcida do SESI-SP, Brenda consagrou-se campeã e, com a vitória, foi pré-classificada para o torneio de Paris, onde seriam decididas as últimas vagas para Tóquio.

O Pré-Olímpico Mundial seria disputado em Paris, na França, entre os dias 8 e 10 de maio, mas a Federação Mundial de Karatê (WKF) informou que o torneio foi adiado devido à mudança de datas dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020.

Como medida de prevenção e responsabilidade social, o SESI-SP também suspendeu suas atividades no dia 17 de março por tempo indeterminado. Mas, mesmo diante de todas essas mudanças que impactam diretamente a vida de muitos atletas brasileiros, Brenda continua seus treinos, de forma adaptada, com o acompanhamento do treinador Ney M. C. Farias, o qual monta seu programa com um trabalho de mentoria por meio de vídeos.

 
“É muito difícil essa adaptação! Não posso dizer que é tão eficaz como que eu fazia na academia ou no DoJo (local onde se treinam artes marciais japonesas), mas eu acredito que vem sendo bom. É claro que não é 100%, mas eu faço o possível para que seja pelo menos de 80 a 90% de rendimento, porque, infelizmente, não há um espaço tão adequado para treinar, não tenho acesso aos aparelhos dos quais eu preciso e não tenho um parceiro de treino. Então, venho fazendo de tudo para me adaptar, utilizando algumas coisas aqui em casa mesmo. Por exemplo: peguei uma cadeira e um rodo, onde eu amarrei uma faixa e coloquei uma luva para improvisar como se fosse um BOB (Boneco Simulador de Treino) para conseguir treinar o direcionamento dos golpes.

Tenho feito atividades utilizando a minha força em exercícios que não são tão complexos, mas que consigo fazer sem precisar de um peso de uma barra de academia, por exemplo, e que me ajudam bastante. Assim, eu sigo me exercitando de uma forma que consigo, pelo menos, manter o rendimento do meu corpo.”, relata Brenda.“É muito difícil essa adaptação! Não posso dizer que é tão eficaz como que eu fazia na academia ou no DoJo (local onde se treinam artes marciais japonesas), mas eu acredito que vem sendo bom. É claro que não é 100%, mas eu faço o possível para que seja pelo menos de 80 a 90% de rendimento, porque, infelizmente, não há um espaço tão adequado para treinar, não tenho acesso aos aparelhos dos quais eu preciso e não tenho um parceiro de treino. Então, venho fazendo de tudo para me adaptar, utilizando algumas coisas aqui em casa mesmo. Por exemplo: peguei uma cadeira e um rodo, onde eu amarrei uma faixa e coloquei uma luva para improvisar como se fosse um BOB (Boneco Simulador de Treino) para conseguir treinar o direcionamento dos golpes.

Tenho feito atividades utilizando a minha força em exercícios que não são tão complexos, mas que consigo fazer sem precisar de um peso de uma barra de academia, por exemplo, e que me ajudam bastante. Assim, eu sigo me exercitando de uma forma que consigo, pelo menos, manter o rendimento do meu corpo.”, relata Brenda.“É muito difícil essa adaptação! Não posso dizer que é tão eficaz como que eu fazia na academia ou no DoJo (local onde se treinam artes marciais japonesas), mas eu acredito que vem sendo bom. É claro que não é 100%, mas eu faço o possível para que seja pelo menos de 80 a 90% de rendimento, porque, infelizmente, não há um espaço tão adequado para treinar, não tenho acesso aos aparelhos dos quais eu preciso e não tenho um parceiro de treino. Então, venho fazendo de tudo para me adaptar, utilizando algumas coisas aqui em casa mesmo. Por exemplo: peguei uma cadeira e um rodo, onde eu amarrei uma faixa e coloquei uma luva para improvisar como se fosse um BOB (Boneco Simulador de Treino) para conseguir treinar o direcionamento dos golpes.

Tenho feito atividades utilizando a minha força em exercícios que não são tão complexos, mas que consigo fazer sem precisar de um peso de uma barra de academia, por exemplo, e que me ajudam bastante. Assim, eu sigo me exercitando de uma forma que consigo, pelo menos, manter o rendimento do meu corpo.”, relata Brenda.

“É muito difícil essa adaptação! Não posso dizer que é tão eficaz como que eu fazia na academia ou no DoJo (local onde se treinam artes marciais japonesas), mas eu acredito que vem sendo bom. É claro que não é 100%, mas eu faço o possível para que seja pelo menos de 80 a 90% de rendimento, porque, infelizmente, não há um espaço tão adequado para treinar, não tenho acesso aos aparelhos dos quais eu preciso e não tenho um parceiro de treino. Então, venho fazendo de tudo para me adaptar, utilizando algumas coisas aqui em casa mesmo. Por exemplo: peguei uma cadeira e um rodo, onde eu amarrei uma faixa e coloquei uma luva para improvisar como se fosse um BOB (Boneco Simulador de Treino) para conseguir treinar o direcionamento dos golpes.

Tenho feito atividades utilizando a minha força em exercícios que não são tão complexos, mas que consigo fazer sem precisar de um peso de uma barra de academia, por exemplo, e que me ajudam bastante. Assim, eu sigo me exercitando de uma forma que consigo, pelo menos, manter o rendimento do meu corpo.”, relata Brenda.

“É muito difícil essa adaptação! Não posso dizer que é tão eficaz como que eu fazia na academia ou no DoJo (local onde se treinam artes marciais japonesas), mas eu acredito que vem sendo bom. É claro que não é 100%, mas eu faço o possível para que seja pelo menos de 80 a 90% de rendimento, porque, infelizmente, não há um espaço tão adequado para treinar, não tenho acesso aos aparelhos dos quais eu preciso e não tenho um parceiro de treino. Então, venho fazendo de tudo para me adaptar, utilizando algumas coisas aqui em casa mesmo. Por exemplo: peguei uma cadeira e um rodo, onde eu amarrei uma faixa e coloquei uma luva para improvisar como se fosse um BOB (Boneco Simulador de Treino) para conseguir treinar o direcionamento dos golpes.

Tenho feito atividades utilizando a minha força em exercícios que não são tão complexos, mas que consigo fazer sem precisar de um peso de uma barra de academia, por exemplo, e que me ajudam bastante. Assim, eu sigo me exercitando de uma forma que consigo, pelo menos, manter o rendimento do meu corpo.”, relata Brenda.

“É muito difícil essa adaptação! Não posso dizer que é tão eficaz como que eu fazia na academia ou no DoJo (local onde se treinam artes marciais japonesas), mas eu acredito que vem sendo bom. É claro que não é 100%, mas eu faço o possível para que seja pelo menos de 80 a 90% de rendimento, porque, infelizmente, não há um espaço tão adequado para treinar, não tenho acesso aos aparelhos dos quais eu preciso e não tenho um parceiro de treino. Então, venho fazendo de tudo para me adaptar, utilizando algumas coisas aqui em casa mesmo. Por exemplo: peguei uma cadeira e um rodo, onde eu amarrei uma faixa e coloquei uma luva para improvisar como se fosse um BOB (Boneco Simulador de Treino) para conseguir treinar o direcionamento dos golpes.

Tenho feito atividades utilizando a minha força em exercícios que não são tão complexos, mas que consigo fazer sem precisar de um peso de uma barra de academia, por exemplo, e que me ajudam bastante. Assim, eu sigo me exercitando de uma forma que consigo, pelo menos, manter o rendimento do meu corpo.”, relata Brenda.

“É muito difícil essa adaptação! Não posso dizer que é tão eficaz como que eu fazia na academia ou no DoJo (local onde se treinam artes marciais japonesas), mas eu acredito que vem sendo bom. É claro que não é 100%, mas eu faço o possível para que seja pelo menos de 80 a 90% de rendimento, porque, infelizmente, não há um espaço tão adequado para treinar, não tenho acesso aos aparelhos dos quais eu preciso e não tenho um parceiro de treino. Então, venho fazendo de tudo para me adaptar, utilizando algumas coisas aqui em casa mesmo. Por exemplo: peguei uma cadeira e um rodo, onde eu amarrei uma faixa e coloquei uma luva para improvisar como se fosse um BOB (Boneco Simulador de Treino) para conseguir treinar o direcionamento dos golpes.

Tenho feito atividades utilizando a minha força em exercícios que não são tão complexos, mas que consigo fazer sem precisar de um peso de uma barra de academia, por exemplo, e que me ajudam bastante. Assim, eu sigo me exercitando de uma forma que consigo, pelo menos, manter o rendimento do meu corpo.”, relata Brenda.

“É muito difícil essa adaptação! Não posso dizer que é tão eficaz como que eu fazia na academia ou no DoJo (local onde se treinam artes marciais japonesas), mas eu acredito que vem sendo bom. É claro que não é 100%, mas eu faço o possível para que seja pelo menos de 80 a 90% de rendimento, porque, infelizmente, não há um espaço tão adequado para treinar, não tenho acesso aos aparelhos dos quais eu preciso e não tenho um parceiro de treino. Então, venho fazendo de tudo para me adaptar, utilizando algumas coisas aqui em casa mesmo. Por exemplo: peguei uma cadeira e um rodo, onde eu amarrei uma faixa e coloquei uma luva para improvisar como se fosse um BOB (Boneco Simulador de Treino) para conseguir treinar o direcionamento dos golpes.

Tenho feito atividades utilizando a minha força em exercícios que não são tão complexos, mas que consigo fazer sem precisar de um peso de uma barra de academia, por exemplo, e que me ajudam bastante. Assim, eu sigo me exercitando de uma forma que consigo, pelo menos, manter o rendimento do meu corpo.”, relata Brenda.

“É muito difícil essa adaptação! Não posso dizer que é tão eficaz como que eu fazia na academia ou no DoJo (local onde se treinam artes marciais japonesas), mas eu acredito que vem sendo bom. É claro que não é 100%, mas eu faço o possível para que seja pelo menos de 80 a 90% de rendimento, porque, infelizmente, não há um espaço tão adequado para treinar, não tenho acesso aos aparelhos dos quais eu preciso e não tenho um parceiro de treino. Então, venho fazendo de tudo para me adaptar, utilizando algumas coisas aqui em casa mesmo. Por exemplo: peguei uma cadeira e um rodo, onde eu amarrei uma faixa e coloquei uma luva para improvisar como se fosse um BOB (Boneco Simulador de Treino) para conseguir treinar o direcionamento dos golpes.

Tenho feito atividades utilizando a minha força em exercícios que não são tão complexos, mas que consigo fazer sem precisar de um peso de uma barra de academia, por exemplo, e que me ajudam bastante. Assim, eu sigo me exercitando de uma forma que consigo, pelo menos, manter o rendimento do meu corpo.”, relata Brenda.

Diante de muitas incertezas para o cenário esportivo, manter a saúde física e mental, sem perder o foco nas disputas futuras, é extremamente importante. E esse é mais um desafio que Brenda vem superando.