O que está buscando?
MEU SESI - Entrar

Montagem inédita Entre os Trilhos e a Baleia conduz o público à imersão na mente humana

Espetáculo conduz o público à imersão na mente humana. A peça com dramaturgia inédita, oriunda do Núcleo de Dramaturgia SESI-SP, fica em cartaz de 8 de outubro a 11 de dezembro

 Por: Júlia Polo Romeo
04/10/202217:35- atualizado às 10:54 em 09/11/2022

Estreia 8 de outubro de 2022, no Mezanino do Centro Cultural Fiesp, o espetáculo Entre os trilhos e a baleia, com direção de Erica Montanheiro e dramaturgia de Luana Frez. O enredo conta a trajetória de M. num quarto de hospital, que, desesperadamente procura por Rita. Fragmentos de memória, imaginação e sonho se misturam. M, por vezes mulher, por vezes menina, se arrepende de algo que cometeu anos atrás e, numa busca entre memória e esquecimento, tenta uma possível reconciliação com seu passado e com Rita.

“Pensei nessas cenas-estilhaços, nessa zona movediça entre lembrança e esquecimento. Através de elipses, e o tempo/espaço torna-se relativo, com cortes, saltos, próximos a fragmentos de memória involuntária”, explica a dramaturga.

Realizado pelo Sesi-SP, a montagem inédita fica em cartaz até o dia 11 de dezembro, com entrada gratuita. O texto foi escrito por Luana Frez em 2021, no Núcleo de Dramaturgia Sesi-SP. Segundo ela, “Através de muita pesquisa, leituras e disparadores a cada encontro, cada integrante era convocado a acessar sua expressividade mais íntima para aos poucos criar sua dramaturgia. Foi muito intenso, provocador, poético e profuso”.

Para elaborar a encenação, a diretora Erica Montanheiro propôs uma imersão no delírio de M. “A encenação tem um olhar muito particular sobre a questão da morte. É como se tudo se passasse dentro da cabeça da M. e, a partir disso, memória e alucinação vão se misturando para falar desse prólogo do fim”, explica Erica

Serão 40 apresentações no Mezanino do Centro Cultural Fiesp, um espaço alternativo que aproxima o público da peça e de seu enredo ao fugir do tradicional palco italiano e aproxima o público do espetáculo.

Débora Viana, Gerente Executiva de Cultura do Sesi-SP, reitera o compromisso em fomentar o cenário cultural e artístico por meio de obras, de artistas e da participação do público a potenciais de criação, de reflexão e de experimentação. “Para o Sesi-SP, é de extrema importância à formação de novos públicos em artes, a difusão e o acesso à cultura de forma gratuita. Sendo assim, desenvolvemos e realizamos projetos das mais diversas áreas e convidamos o público a imergir no universo do conhecimento e da arte”, declarou ela.

Oriundo do Núcleo de Dramaturgia SESI-SP, sob a condução pedagógica de Silvia Gomez e Angela Ribeiro, a dramaturgia de Luana Frez é uma potência estética na cena contemporânea de jovens e novos autores teatrais brasileiros. Em breve, o texto será publicado na íntegra, com os demais textos produzidos pela 13ª turma do Núcleo, sob o selo SESI-SP Editora.

 


Foto: Karin Kanh

 

Direção de Erica Montanheiro

Integrante da Cia Os Fofos encenam desde 2004. Formada pela École Philippe Gaulier, na França e em Letras, na USP. Integrou o Núcleo de Dramaturgia do Sesi-British Council, sob a orientação de Marici Salomão. Participou de estágio do Théâtre du Soleil, em Paris, em 2009. Em 2017, dirigiu seu primeiro espetáculo Vocês que me habitam, de sua autoria em parceria com Gustavo Colombini. Em 2018, dirigiu o espetáculo jovem Dois a duas, de Maria Fernanda de Barros Batalha - que venceu o prêmio APCA como melhor espetáculo jovem e o Prêmio SP de melhor espetáculo jovem e melhor atriz coadjuvante. Ganhadora do Prêmio FEMSA como melhor atriz coadjuvante, por Sonho de uma noite de verão, sob a direção de Kleber Montanheiro, e do Prêmio Aplauso Brasil como melhor atriz coadjuvante por Histeria, sob a direção de Jô Soares. Indicada a melhor atriz por Inventário pelo prêmio Aplauso Brasil 2019.

 

Dramaturgia de Luana Frez

Graduada em Letras (Bacharelado: Português/Francês) na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Sociais da Universidade de São Paulo (2011) e atriz com formação no Centro de Pesquisa Teatral (CPT/Sesc), Teatro Escola Macunaíma e Mímica/Teatro físico com Luis Louis. Foi integrante da Cia. dos Imaginários de 2009 a 2017, atuando nos espetáculos O Taxidermista, Niklasstrasse, 36 (baseado em A metamorfose, de Franz Kafka), Uma Alice Imaginária, Quixote, entre outros, todos sob a direção de René Piazentin. Em dramaturgia, teve aulas com Silvia Gomez no Curso Introdução ao método do ator no Cptzinho (2017) e com Antunes Filho nos encontros entre 2017 e 2018 do CPT, onde também fez assistência de direção do espetáculo Eu estava em minha casa e esperava que a chuva chegasse.

 

Núcleo de Dramaturgia SESI-SP

Criado em 2007, o Núcleo de Dramaturgia SESI-SP, vencedor do 28º Prêmio Shell de Teatro na categoria Inovação, é voltado para descoberta e formação de novos autores teatrais através do incentivo a discussão e reflexão sobre o cenário contemporâneo. Sob a condução de Silvia Gomes e assistência de Angela Ribeiro, nos anos 2020 e 2021, o curso ofereceu exercício de técnicas, estudo de teorias, atendimento individual e coletivo, leituras comentadas de peças, atividades práticas de escrita e sistema narrativo.

 


Ficha técnica

Direção: Erica Montanheiro | Diretora assistente: Ana Elisa Mattos | Dramaturgia: Luana Frez | Elenco: Cynthia Falabella, Gabi Costa e Ligia Yamaguti | Participação em vídeo: Ana Elisa Mattos, como mãe, e Luciana Ramanzini e Katia Daher, como vizinhas | Cenário, figurinos e designer gráfico: Kleber Montanheiro | Desenho de luz: Gabriele Souza | Direção audiovisual: Julia Rufino | Mapeamento de vídeo: Rafael Drodro | Trilha Sonora: Ana Elisa Mattos e Luiza Akimoto | Desenho de Som: Luiza Akimoto | Fotografia: Karim Kahn | Cenotécnico: Evas Carretero | Assistência de figurino: Marcos Valadão | Costureira: Salomé Abdala | Operador de luz: Rodrigo Silbat | Assistência de produção: Lucas Vanatt | Produção: Anayan Moretto e Lolita & La Grange Produções Artísticas | Produção original: Núcleo de Dramaturgia SESI-SP | Realização: SESI-SP

 

Entre os trilhos e a baleia

Temporada: 8 de outubro a 11 de dezembro (sessão extras nos dias 2, 3 de dezembro, às 17h30, e 4 de dezembro, às 16h30)

Horários: sexta e sábado, às 20h30, e domingo, às 19h30

Local: Mezanino do Centro Cultural Fiesp (Avenida Paulista, 1313 – em frente à estação Trianon-Masp do metrô)

Capacidade: 50 lugares

Duração: 60 min

Recomendação: 12 anos

GRÁTIS.  Reservas antecipadas de ingressos pelo site. Ingressos remanescentes serão distribuídos no dia do espetáculo.