Sesi-SP tem sete atletas da Luta defendendo o Brasil no Pan-Americano Sênior

Competição servirá como preparação para o Mundial do Uzbequistão, em setembro, e reunirá as principais forças do continente

Ariett - 10/07/2014

Lucas Dantas, Agência Indusnet Fiesp

Sete atletas do Serviço Social da Indústria de São Paulo (Sesi-SP) foram convocados para Pan-Americano Sênior de Luta Olímpica 2014, que será disputado na Cidade do México, entre 15 e 17 de julho. Os lutadores se juntarão a outros 14 nomes e buscarão, além do ouro, a vaga no Pan de 2015, em Toronto, uma vez que apenas o campeão tem vaga assegurada.

Foram chamados do Sesi-SP Aline Ferreira da Silva (75kg), Laís Nunes (63kg), Gilda de Oliveira (69kg) e Camila Fama ( 53kg) no Estilo Livre Feminino; Rafael Aparecido (74kg) e Juan Bittencourt (97kg), no Estilo Livre Masculino; e Ronisson Brandão (85kg), no Estilo Greco Romano. A competição abre o segundo semestre de grandes eventos, que ainda terá o Campeonato Mundial Sênior no Uzbequistão, em setembro. Para Aline, suas principais rivais no Pan já foram apontadas e a competição promete ser muito equilibrada.

Equipe de Luta Olímpica do Sesi-SP Os sete atletas do Sesi-SP convocados para a
seleção brasileira de luta olímpica para o
Pan-Americano do México. Foto: Divulgação 

“A gente ia disputar o GP da Espanha, mas não aconteceu e agora vamos para o Pan. Isso é bom. O Pan é o foco, é um torneio que queremos vencer mesmo. O microciclo foi feito pensando no Pan. E estarão lá as melhores da região. Minhas principais rivais serão Lisset Medina, de Cuba, minha primeira luta, e as líderes do ranking, a americana Adeline Gray e a canadense Erica Wiebe”, disse a campeã do Grand Prix de Paris 2014.

Os títulos e o crescimento da luta brasileira também colocam os lutadores em evidência. Para Ronisson Brandão, a medalha de bronze no sul-americano em Santiago o colocou na mira dos demais lutadores, que agora sabem como ele luta.

“Eu penso que a medalha no Sul-americano me trouxe um pouco mais de visibilidade e respeito por parte de atletas daqui, mas isso não me ajuda muito. Preciso estar bem adaptado à altitude no México para fazer bons combates”, disse Ronisson, que prevê muita dificuldade pelo nível das adversários e também pela busca do primeiro lugar e a classificação direta para o Pan do Canadá.

“Nessa competição, o nível será o mais alto, pois enfrentaremos atletas de todas as Américas, não só do Sul, mas de países muito tradicionais na Luta Olímpica, como EUA e Cuba. A briga pelo título vale participar do Pan de 2015, e isso aumenta demais o nível das lutas. Além de ajudar na preparação para o Mundial”.

A ascensão da luta no Brasil foi muito rápida. A equipe feminina, com muitas atletas do Sesi-SP, conquistou medalhas e índices importantes em pouco tempo, se tornando um grupo forte para as Olimpíadas do Rio, em 2016. Na categoria de 75kg, Aline se encontra na 11ª posição mundial. Gilda foi campeã dos Jogos Sul-americanos de Santiago e medalhista de bronze na edição passada no Panamá. Ronisson Brandão ganhou o bronze nos Jogos Sul-americanos de 2014.

Mesmo com esses resultados, os atletas ainda encontram dificuldades para participar de algumas competições. Para Aline, tudo aconteceu muito rápido e a lutadora acredita que a proximidade das Olimpíadas ajudará a melhorar as condições. 

“A CBLA (Confederação Brasileira de Lutas Associadas) é muito recente. A luta é muito recente no Brasil. Com os jogos, os recursos serão maiores, teremos mais possibilidades. Tudo cresceu muito rápido e em pouco tempo. A CBLA talvez não tenha se adaptado rápido e isso acaba prejudicando uma ou outra participação. Mas eles trabalham muito e vão contornar as dificuldades e superar os problemas. Além disso, os clubes também apoiam e podem suprir o que falta”.

Para acompanhar o Pan-americano no México, o site da Fila (Federação Internacional de Lutas Associadas) fornecerá resultados em tempo real. http://www.fila-official.com/

Notícias Relacionadas