Sesi-SP perde clássico contra Sollys/Nestlé por 3 sets a 1 na Vila Leopoldina

Time de Osasco mostrou força no saque e no bloqueio; na próxima rodada, no dia 16/02, enfrenta Unilever/Rio de Janeiro

Talita Camargo e Juan Saavedra - 06/02/2013

No confronto que já é um clássico paulista, melhor para as visitantes. Em 1h59 de jogo, o Sesi-SP foi derrotado na noite desta terça-feira (05/02), no ginásio da Vila Leopoldina, em São Paulo (SP), pela equipe do Sollys/Nestlé/Osasco – atual campeã mundial – por 3 sets a 1 (25/17, 19/25, 25/18 e 25/15). O compromisso  valeu pela sétima rodada do returno da Superliga feminina de vôlei 12/13.

volei feminino 
Foto: Everton Amaro 
Jogada de ataque da oposta do Sesi-SP Tandara (16) 

A partida contou com a presença de oito das 12 campeãs olímpicas em Londres-2012: Dani Lins, Fabiana Claudino e Tandara (Sesi-SP) e Adenízia, Fê Garay, Jaqueline, Sheilla e Thaísa (Sollys/Nestlé Osasco).

Alternando saques forçados e táticos, o time de Osasco teve no bloqueio um de seus destaques, com 16 pontos. A vencedora do Troféu VivaVôlei foi a central Thaisa, do Sollys/Nestlé, maior pontuadora do jogo, com 20 acertos. Pelo Sesi-SP, Tandara fez 17 pontos, seguida por Sassá e Fabiana Claudino, ambas com nove.

Após a partida, a levantadora do Sesi-SP, Dani Lins, comentou o resultado e falou das dificuldades de enfrentar as adversárias. “Elas têm um saque muito forte, o que dificulta muito. Não fizemos um bom jogo aqui; dá para melhorar. Agora temos que buscar uma boa classificação para chegar bem aos playoffs”, afirmou.

A central Bia acredita que enfrentar o Sollys/Nestlé é quase o mesmo que jogar contra a seleção brasileira. “No primeiro set demos uma ‘desandada’, mas no segundo jogamos como tínhamos planejado antes do jogo”, explicou, afirmando que o time adversário sacou muito bem e teve um bloqueio quase perfeito. “Elas têm o melhor saque e bloqueio da Superliga”, enfatizou.“Vamos para a próxima!”, falou, otimista. “Temos duas semanas para treinar antes do jogo contra o Unilever. Precisamos dessa vitória para dar uma crescida no time e vamos em busca disso”, concluiu.

De acordo com o técnico Talmo de Oliveira, o Osasco tem muito poder de contra-ataque e um saque que dificulta a linha de passe. “No segundo set, a gente equilibrou e conseguiu neutralizar”, comentou. “Acho que temos que continuar trabalhando, já pensando no playoff”, completou.

Estrela do Osasco e da seleção brasileira, a ponteira Jaqueline elogiou o time do Sesi-SP. "Elas jogaram muito bem. Impuseram o ritmo o tempo inteiro e a gente conseguiu reverter isso o terceiro e quarto sets", analisou. "Eu mesma estava com dificuldade no ataque no primeiro e segundo sets, mas consegui trabalhar de outras maneiras, no saque, no bloqueio e depois conseguir atacar um pouco mais", completou Jaque.

Com a derrota, o time do Sesi-SP fica na quinta posição da classificação geral, com 31 pontos (10 resultados positivos e seis negativos). O próximo desafio do Sesi-SP será contra o time da Unilever/Rio de Janeiro, no sábado (16/02), às 19h15, na Vila Leopoldina.

O jogo


A partida começou equilibrada e o Sesi-SP abriu vantagem de três pontos, mas o Sollys/Nestlé virou para 06/03, forçando o técnico Talmo de Oliveira a pedir tempo. Combinando saque e bloqueio bem posicionado, o time de Osasco abriu boa diferença e caminhava tranquilo para fechar o set, mas em boa passagem de Sassá pelo saque, o time do Sesi-SP diminuiu a diferença para 22/16, o que levou o técnico Luizomar de Moura, do Sollys/Nestlé, a interromper a partida para conversar com suas atletas. Daí em diante, prevaleceu o saque do Osasco, dificultando o passe do Sesi-SP. A equipe laranja fechou o primeiro set por 25/17, com um bloqueio de Fernanda Garay.

O Sesi-SP voltou determinado para o segundo set e largou na frente, abrindo vantagem de 05/01. O sexto ponto levantou a torcida: defesa sensacional de Tandara e ponto de contra-ataque em largadinha de Sassá. Um erro na recepção do Sollys/Nestlé fez o Sesi-SP chegar ao 15º ponto. Fabiana, em outra largadinha, garantiu o 21º ponto do time da indústria e uma vantagem confortável. O empate em sets veio com a ponteira Tandara, que fez o passe e atacou explorando o bloqueio: 25/19.

No terceiro set, o time de Osasco voltou a sacar forte e abriu boa diferença no placar. Depois de uma sequência de erros, o técnico Talmo de Oliveira pediu tempo e chegou a tirar Dani Lins. Mas não teve jeito: o Sollys/Nestlé fechou o set com 24/18.

No quarto e último set, o Sollys/Nestlé mostrou as características que levaram a equipe a conquistar o campeonato mundial em outubro, combinando intensidade no saque e um bloqueio bem afinado com a defesa. Aos 11 minutos de jogo, o técnico Talmo de Oliveira tirou Elisângela e colocou Jéssica. Mas o Sollys/Nestlé, bem postado na rede, finalizou a partida: 25/18.

Notícias Relacionadas