Pela Superliga masculina, Sesi-SP derrota Brasil Kirin por 3 sets a 0

Depois de superar adversário no Campeonato Paulista, time mantém o foco e conquista sexta vitória seguida

Juan - 04/11/2013

Juan Saavedra, Agência Indusnet Fiesp

Em jogo na noite de sábado (02/11), o time masculino do Serviço Social da Indústria venceu pela terceira vez seguida o do Brasil Kirin/Campinas por 3 sets a 0 (21/15, 21/11 e 21/17) – desta vez pela Superliga masculina 2013/14. O jogo foi realizado no ginásio do Sesi Vila Leopoldina, em São Paulo.

Com o resultado, o Sesi-SP chega à sexta vitória em seis jogos na competição – bateu o Funvic/TaubatéUFJFSão Bernardo VôleiVoltaço e Kappesberg Canoas. O time do técnico Marcos Pacheco é o terceiro na tabela de classificação, com 17 pontos, um atrás do líder Sada Cruzeiro e do vice-líder RJX.

Depois de superar o Brasil Kirin duas vezes consecutivas pelo Campeonato Paulista, o Sesi-SP não perdeu a concentração, pressionando a equipe visitante desde o início de cada set, com saques demolidores de Evandro e Lucão, e bem em todos os fundamentos. O bloqueio funcionou, a linha de passe distribuiu a bola na mão do levantador e Sandro variou bem as jogadas.

“A gente está numa sequência boa. Conseguimos jogar bem, muito bem”, comentou o oposto Evandro depois de receber o troféu Viva Vôlei das mãos de um convidado especial: o goleiro Cássio, do Corinthians. O reconhecimento é concedido ao atleta melhor em quadra em escolha do treinador da equipe vencedora – Marcos Pacheco, no caso.

“Foi uma vitória importantíssima, que dá confiança. Foram duas semanas duríssimas, com três jogos por semana, mas está todo mundo de parabéns”, disse o central Sidão.

Uma das novidades do jogo foi a camisa customizada usada pelo líbero Serginho, em alusão ao apoio do Sesi-SP ao movimento Novembro Azul, alertando para a necessidade do exame de prevenção ao câncer de próstata.

O Sesi-SP entrou com Sandro, Ary, Sidão, Lucão, Evandro, Sidão e Serginho (líbero). Entraram Renan, Thiaguinho e Rogerio.

A equipe volta às quadras pela Superliga somente no último dia do mês (30/11), às 19h30, no ginásio Chico Neto, onde enfrenta o Moda Maringá (PR).

O jogo

O primeiro set começou equilibrado. Alexandre Rivetti, técnico do Brasil Kirin, surpreendeu ao escalar Bergamo e Mineiro. Lucão, pelo meio de rede, levou o jogo para a primeira parada técnica: 07/06. Bem nos fundamentos, o Sesi-SP fez 10/07 com Lucarelli, em ponto de bloqueio. Lucão soltou o braço, a recepção devolveu e Lucarelli matou o ponto (15/08). Depois de uma sequência de pontos dos visitantes, que reduzira a diferença para 17/12, o técnico Marcos Pacheco pediu tempo. O Sesi-SP  voltou a rodar e o oposto Renan fechou o jogo em 21/15.

No segundo set, o Sesi-SP seguiu com ritmo forte no saque e bem em todos os fundamentos – a vantagem chegou a sete pontos quando Sidão, pelo meio, levou o jogo para a segunda parada técnica obrigatória. O set point veio com um ace de Evandro: 20/11. Um erro de Bergamo, do Brasil Kirin, decretou o fim do parcial: 21/11.

O terceiro set começou mais equilibrado depois de uma mudança na equipe visitante, que escalou o oposto Rivaldo, preterido na formação inicial. Lucão, que vinha bem no saque e no ataque, fez um ponto de bloqueio para levar o jogo para a primeira parada obrigatória do terceiro set. A vantagem aumentou depois de um erro de recepção do Brasil Kirin: Sandro não perdoou e fez o 08/05. Na segunda parada técnica, o técnico Marcos Pacheco, percebendo o risco de a equipe diminuir o ritmo, pediu mais concentração aos jogadores. Deu certo e a equipe conseguiu rodar até abrir cinco pontos de diferença em bloqueios de Lucarelli (17/13) e Sidão (18/13). Foi o suficiente para fechar o jogo com tranquilidade, em bola do ponteiro Ary: 21/17 e 3 sets a 0.